Rissani é uma pequena cidade do sudeste de Marrocos, quase encostada à Argélia e capital da histórica região do Tafilete. No passado foi um importante entreposto comercial, pois ficava na rota das caravanas de camelos saarianas. Ali comercializava-se ouro, especiarias, tecidos e…armas e escravos. Imagino como seria aquele lugar há 100 anos. Eu conheci Rissani numa tarde de Fevereiro, no principal dia semanal de mercado da cidade. É como entrar num filme da idade média. Sim, daqueles épicos que se vêem no Natal. Como eu adoro estes lugares. Ainda hoje consigo ouvir os barulhos e sentir os cheiros deste lugar.

Seguia de jipe entre Merzouga e Zagora, depois de no dia anterior ter atravessado as estradas do deserto entre Erfoud e o grande Erg Chebbi. Sabia da possibilidade de visitar o Souk de Rissani, mas seguia tão emaranhado na paisagem do horizonte sem fim, que ainda não tinha pensado muito sobre esse assunto. E eu que adoro mercados. É sempre a primeira coisa que procuro, seja em Rissani, seja em Paris ou em Barcelona. A cerca de 4/5km de Rissani, começo a ver um movimento fora do comum de…burros. Carregando o seu mestre e toda uma panóplia de produtos. Uns com cenouras, outros com cereais e outros com sacos vazios, possivelmente para encher de cenouras e vegetais. Num instante, desliguei da paisagem do horizonte e foquei no intrigante movimento para o Mercado de Rissani. Perguntei ao guia marroquino o que se estava passar. Ver alguém no meio do deserto já é uma surpresa, ver burros carregados de cenouras no deserto, ainda consegue ser uma surpresa maior. Ele, o guia, lá me explicou a importância do mercado para toda a região. E uma vez por semana, as pessoas deixam as suas isoladas aldeias para vender o seu produto no mercado e para voltar a casa com outros produtos. Nem quis alongar muito a questão do facto de o meio de transporte ser o burro, mas como ele não enfatizou muito a questão, assumo que seja perfeitamente normal por aqui. Podia perguntar: “então eles vão de burro?”. A resposta poderia ser: “então querias que fossem como? a pé, com aquelas cenouras todas!?”. As pessoas aqui ainda lutam por bens essenciais, como água potável. Ir para o mercado de burro não é nada demais. Para mim, estava a ser um encanto, como uma viagem real à Idade Média.

Estão a imaginar-vos com 10 anos a chegar ao Zoomarine? Quando ao longe já começavam a ver todo aquele aparato, com os golfinhos, as araras, as piscinas e os escorregas, e assim que o carro se aproxima da porta de entrada, o vosso sangue corria mais e mais depressa, para finalmente quase explodir de adrenalina quando, finalmente, o carro pára e podemos correr para dentro do Zoomarine. Estão a imaginar? Foi isso que senti, com 33 anos de idade, ao aproximar-me do Mercado de Rissani. Assim que o carro parou, parece que fiquei cego para tudo o resto. Só queria ver tudo, sentir tudo. É claro que a maturidade (ou a idade) permite um maior auto-controlo exterior. Mas o meu interior estava como uma qualquer música dos AC/DC, “on fire!!”. Tal como já referi, é uma viagem à Idade Média. Sentia-me num misto de cenários, que variavam entre filmes como Lawrence da Arabia e o Rei Artur. Toda a cidade estava num alvoroço, bicicletas, burros, carrinhas (poucas), pessoas, tudo no meio da rua. Mas no mercado e nas suas proximidades, era o completo frenesim. Nem consigo quantificar bem, mas com certeza que estavam largas dezenas de milhares de pessoas, dentro das “muralhas” do mercado. Facilmente me iria perder ali. Cantos, becos, espaços abertos, espaços claustrofóbicos, muitas cores, muitos cheiros diferentes e intensos, muito barulho, muita confusão, tudo tão diferente e tudo tão igual. Neste mercado não existe coerência. Pelo menos eu não a senti. Não existe um quarteirão da roupa e outro das frutas. É uma espécie de “tudo ao molho e fé em Deus”. Ao lado das forjas (sim, ali se queres comprar um prego ou uma enxada este material sai (quase) directamente de uma pequena forja (sim, tal como uma feira da idade média)), estavam homens a cortar o cabelo. Em frente aos carpinteiros estava o talho. No meio da secção de roupa existia malta a vender peixe. Se calhar até existe uma lógica na coisa. Eu é que não consigo ver qual é. Mas esta confusão total, tornou tudo muito mais interessante. Estava a delirar com tudo aquilo. E mais uma vez, a tentar imaginar como seria este espaço há 100, 200 anos atrás. Se em 2018 era assim, no passado devia valer tudo por ali. Nem dei pelo tempo passar, nem sei quanto tempo passei por ali. Sei que sai por outra porta, sem saber onde estava a primeira, quase como se tivesse saído de um labirinto. Ainda tive tempo de visitar mais dois anexos do mercado. A secção dos animais vivos para venda e o parque de estacionamento. Bem, o parque de estacionamento não é uma gigante garagem subterrânea, com possibilidade de quem tem Via Verde pagar depois. Um gigante espaço aberto com, talvez, muitas centenas de burros. Impressionante. Não existe uma cancela, mas existe um serviço de estacionamento personalizado. Paga-se uns Dirhams e alguém fica encarregue de estacionar e guardar o burro. Fiquei sem perceber se existia a possibilidade de incluir a lavagem do “veículo”.

Assim que voltei ao jipe, após uma perseguição de uns quantos vendedores de tâmaras (tentam vencer pelo cansaço. São precisos mais de 1000 nãos, para eles desistirem da venda), sentia que tinha uma recordação para vida. Tinha aquele sorriso de satisfação, de quem tinha acabo de conquistar uma boa memória. Muito bom, este Mercado de Rissani.



HISTÓRIAS RELACIONADAS

#PELAS ESTRADAS DO DESERTO DO SAHARA