Existem baleias na ilha do Pico. Existem, é verdade (e toda uma cultura associada à baleia)

Recordo a primeira vez que pisei solo açoreano, em 2014. Foi na ilha de São Miguel e entre todas as emoções típicas de quem conhece um novo paraíso, existiu um nome ou uma constatação que fez os meus olhos brilharem com uma intensidade diferente. Existem baleias nos Açores. Mais do que isso. Várias e várias vezes, quase sempre carregados de orgulho, várias pessoas exclamaram para mim: “os Açores são um verdadeiro santuário natural para as baleias!”. Bem, eu faço parte daquela geração que se levantava ao Domingo de manhã para ver o National Geographic e que tinha a colecção completa, dedicada à vida animal, da Reader’s Diagest, claro que vibrei com essa realidade. É claro que também senti aquela pontinha de orgulho patriótica. Nessa primeira viagem pela ilha de São Miguel fiz uma incursão oceano adentro, para ver se via algum exemplar. Sem sucesso. Lembrem-se, aquilo não é o Zoomarine com show marcado, é o Oceano Atlântico. Mas na realidade, nem senti grande pena, senti foi uma vontade gigante de explorar mais este assunto. Ainda nessa viagem, quando o assunto era baleias, além da palavra santuário e do sentimento chamado orgulho, existe um outro nome que vinha sempre intrometer-se nas conversas baleeiras. Pico, ilha do Pico. Quase todos me diziam: “sim, aqui é bom, mas no Pico é diferente”. Quase como a própria baleia, assim num contesto geral, fosse daquela ilha, muito particular, do grupo central. É claro que já sabia que o Pico existia. Mas pela primeira vez, fiquei a sonhar com aquele lugar. Sim, eu levo os sonhos muito a sério. Poucos meses depois estava a pisar pela primeira vez a terra da ilha do Pico. 

Na minha primeira viagem pela ilha do Pico, um par de horas depois de aterrar na ilha, já estava dentro de um barco em busca dos gigantes dos oceanos. Mais uma vez, foi um encontro sem sucesso, mas, mais uma vez, as histórias sobre as baleias fizeram-me vibrar de entusiasmo. Tal como as histórias sobre vinho sabem melhor quando ouvidas nos campos, junto às vinhas. Ouvir histórias sobre baleias a olhar para o gigante oceano, é diferente, mais emotivo, mais intenso. Uma dessas histórias, ouvi-a num antigo posto de vigia. Nestes dias, o bonito posto de vigia, serve para anunciar a presença de baleias para que as possamos  contemplar e admirar, mas há mais de 30 anos, este mesmo posto de vigia, tinha a missão de anunciar as baleias, para que as pudessem caçar. Hoje a caça à baleia, nos Açores, é proibida. A última baleia foi caçada em 1987. Parece bárbaro caçar tão belo animal. Mas há 100 anos não era bárbaro, era uma uma espécie de lutar pela vida, para a boa gente da ilha do Pico. Voltando à conversa do posto de vigia. Estava fascinado a ouvir histórias de baleias, baleeiros e de toda uma industria baleeira. Quase que esqueci que o meu objetivo era, simplesmente, ver uma baleia e contemplar o animal, assim ao estilo National Geographic. Agora estava mais fascinado com a cultura baleeira do Pico.

Um ano mais tarde, voltei ao Pico. Isto em 2017. Fui uma visita muito rápida. Mas deu tempo para voltar ao barco e voltar a “perseguir” baleias. Consegui, foi um encontro marcado em que ninguém fugiu. Vi uma baleia comum. (Existem várias espécies nos Açores e no Pico, a que era caçada era o cachalote, mas existe também a baleia azul, por exemplo. Gigantes e lindíssimas.) Não chorei, mas pouco faltou. Sim, eu sei, sou um romântico. Mas, com uma dose elevada de sinceridade, digo que me senti abençoado. Abençoado por poder viver momentos belíssimos e, muitas vezes, únicos, não é todos os dias que damos de caras com uma baleia enorme na sua própria casa. A juntar ao momento, mais uma vez, enormemente fascinado com o paraíso Açores e neste caso, com o paraíso Pico (e Faial e São Jorge, ilhas que partilham aquele pedaço de oceano especial). Como disse, a viagem foi rápida, voltei para casa num ápice e num ápice partilhei a mensagem: “Vi uma baleia!”. Até pensei em dar-lhe um nome. 

Em 2018, voltei ao Pico. Sim, eu sei, já pode ser considerada como relação, esta minha ligação aos Açores e em especial ao Pico. Nesta minha visita, uma novidade. Não fui à água. Sim, ainda andava a sonhar com a baleia que tinha visto no ano passado. Mas, continuei a explorar o assunto “baleias”. Desta vez em terra. Fiquei cerca a 10 dias, literalmente, a viver em território de São Roque do Pico, um dos três concelhos da ilha. Lugar onde existe um museu chamado Museu da Indústria Baleeira. Iria explorar a história da baleação, ou da caça à baleia. 

É um tema sensível. A caça à baleia existiu durante quase um século. Passou de geração em geração. Talvez, avô, pai e filho tenham partilhado o mesmo bote baleeiro. Tal como já referi, o Pico há 100 anos não era a terra de oportunidades que é hoje. Não era valorizada a sua beleza natural, o turismo não existia enquanto negócio, era simplesmente uma ilha com 40km de comprimento, localizada no meio do Oceano e com um solo pobre. Existiam baleias e um indústria mundial a funcionar à volta delas. Aqui, além do número de baleias que existiam nas suas águas, a localização dos Açores era ponto importante. O seu lugar “no meio do Oceano” passou de um lugar perdido, para um lugar entre os Estados Unidos e a Europa. No Pico existiam três lugares que colocavam o negócio das baleias a funcionar: As Lajes do Pico, como terra dos baleeiros, de onde saíam os botes para a caça à baleia; São Roque do Pico, com a fábrica da baleia, para onde os botes rebocavam as baleias, para elas serem transformadas maioritariamente em óleo; E Santo Amaro, pequena povoação do concelho de São Roque, onde eram construídos os barcos. Nas Lajes do Pico e em São Roque, os edifícios de destaque ligados à baleação foram transformados em museus. 

Diz-se que a caça à baleia nos Açores começou com a chegada de navios baleeiros britânicos e americanos ao mar dos Açores. Aí, os americanos, começaram a recrutar nativos, que emigravam para as temporadas da caça à baleia junto à costa Atlântica dos Estados Unidos, maioritariamente em New Bedford, onde ainda existe uma grande comunidade de açoreanos. Com o adquirir de conhecimento da prática da caça e com o potencial de negócio do óleo de baleia, usado essencialmente como combustível para as lamparinas, começaram a criar os próprios negócios e companhias nos Açores, maioritariamente no Pico. Isto aconteceu no final do séc. XIX, mas foi na primeira metade do séc. XX que o negócio da transformação da baleia atingiu o seu expoente máximo. Entre a construção de barcos, a caça e a transformação de baleias, acredito que direta ou indiretamente, não existia uma família do Pico que não estivesse ligada à baleação. Dá para perceber o impacto cultural que teve neste lugar e nestas pessoas, certo? Várias vezes ouvi: “não é que gostássemos de matar baleias, não havia outro sustento”. Isto dito por antigos baleeiros ou pelas novas gerações que recolheram estes dizeres dos seus antepassados. Ouvi histórias incríveis, desde lendas que diziam que homens tinham sido engolidos por baleias, até aos estratagemas encontrados pelos vigias para indicar ao bote a posição da baleia (isto, muitas vezes, sem rádio), ainda passando pelos baleeiros que largavam todos os seus afazeres quando era avistada uma baleia (cada bote, em média, caçava 10 baleias/ano, portanto não eram baleeiros em exclusivo), também ouvi histórias da azafama que era o Cais do Pico, lugar onde hoje é o Museu da Indústria Baleeira e que na altura era a fábrica de transformação da baleia, com a presença de botes a chegar com baleias, navios a recolher o óleo e dezenas de baleias mortas amontoadas no cais da fábrica, e, finalizando sempre, com o problema provocado pela morte da última baleia, que ocorreu em 1987, quando a caça à baleia estava proibida desde 1984. Era inevitável a proibição da caça à baleia, e ainda bem que aconteceu, mas também é fácil de perceber a quebra cultural que aconteceu aqui. 

Durante o meu “retiro” em São Roque do Pico, perdi conta às vezes que passei junto ao Museu da Indústria Baleeira. Algumas vezes entrei. O museu mantém o seu traço original com muitos pormenores que ficaram congelados no tempo. Adoro museus assim, fazem-me estar dentro da história, vivê-la e senti-la. Muitas vezes me sentei no cais, com a rampa de entrada das baleias ao lado, simplesmente a olhar para a ilha de São Jorge e para o imenso Oceano e a viajar no tempo. Acredito que este povo se soube reinventar, na relação com este maravilhoso animal dos oceanos. Ficam as memórias e as histórias da baleação, que não devem ser esquecidas, e fortalece-se cada vez mais a referência, “existem baleias na ilha do Pico”.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


INFORMAÇÕES

História construída em parceria com a Câmara Municipal de São Roque do Pico. Para mais informações consultar o site.

Durante o período de construção da história fiquei alojado na Adegas do Pico.


HISTÓRIAS RELACIONADAS

Montanha do Pico

Prainha