Lisboa, capital de Portugal, cidade de encantos tamanhos e cheia de pecados (tal como a música “teus olhos castanhos” de Francisco José 😉 onde é que eu fui buscar isto!?) para quem gosta de coisas boas da vida. Confesso que a minha relação com Lisboa nem sempre foi pacífica mas, entretanto, rendi-me. De tal forma que tem o privilégio de ser o primeiro destino dos guias do Meu Escritório.

O Sol bate em Lisboa de uma forma diferente, tem um ritmo de batida certa, que faz florescer coisas interessantes a quase toda a hora. Como cidade não é grande, nem é pequena e, joga lá o Benfica que é sempre um factor importante (não vou entrar em cisões futebolísticas, sou um gentleman do desporto (que prefere que o Benfica ganhe sempre))  😉 . Tem mais um grande número de pontos que jogam a seu favor, a maior parte, inexplicáveis, impregnados na história da cidade (sim, aquela coisa dos barcos e da mania (boa) de querer descobrir o Mundo) e dignos de ser vividos. Juro que não é por ser portuguesa (e eu ser português!), mas é uma das cidades mais fixes do momento.

PARA FAZER


Festas de Santo António – As festas de Lisboa ocorrem no mês de Junho, em honra de Santo António, o Santo padroeiro da cidade. Os bairros típicos de Lisboa ganham uma nova vida. Mesas corridas, sardinha assada, vinho tinto carrascão, música de baile e bandeiras cheias de cor, tudo isto a combinar a genuína alegria do povo português. Nestes dias, vale tudo menos ficar em casa.

Belém – Uma trilogia. Mosteiro dos Jerónimos, Torre de Belém e Pastéis de Belém. A esta trilogia juntamos o rio Tejo, como elo de ligação (como quase tudo em Lisboa). Obrigatório!!

LX Factory –  Aqui a criatividade é palavra de ordem. Antiga fábrica junto ao Tejo, convertida em centros de arte, local de concertos, restaurantes cheios de pinta, lojas vintage e mais um sem fim de coisas difíceis de catalogar. 

Fado – Existem vários pontos que tornam Portugal único, Fado é sem dúvida um deles. Existem várias casas de fado, espalhadas pelos bairros típicos da cidade (Alfama, Mouraria, Castelo e Bairro Alto). Uma dica: têm de comer caldo verde e chouriço assado.

Sintra – Fica fora da cidade, mas vale a visita. Um lugar mágico, com paisagens de contar a respiração. Palácio da Pena e Quinta da Regaleira, são pontos obrigatórios.

Ver o pôr-do-sol num miradouro da cidade – Existem vários miradouros onde pode ver o pôr-do-sol: M. de São Pedro de Alcantra, M. das Portas do Sol e M. do Castelo de São Jorge. Existem mais, mas nestes (com um dia de céu limpo) de o espetáculo garantido.

Festa-St-Antonio01_JM_g2

empresa_5159f3de5ec34_255_2

PARA COMER


A Cevicheria – Novo restaurante do Chef Kiko Martins. Pode-se dizer que é o restaurante português mais peruano (o ceviche é uma instituição no Perú) do Mundo. Uma lufada de ar fresco e inovação na cozinha lisboeta.

Cervejaria Ramiro – Um verdadeiro clássico lisboeta. Aqui o marisco é rei.

Mercado da Ribeira – A nova “cara” do Mercado da Ribeira que caiu que nem uma luva na nova Lisboa. Um dos espaços mais porreiros da cidade, numa fusão (bem conseguida) entre o passado e o presente (e sempre com olhos no futuro). Aqui as opções são muitas, mas confesso que O Prego da Peixaria e o Santini (para visitar na mesma noite, por esta ordem, já que um vende pregos e o outro vende gelados) são os meus favoritos.

Cantinho do Avillez – Como o nome indica é um restaurante do Chef José Avillez (sim, o da estrela Michelin). Se ele chamou o restaurante de Cantinho (acredito que seja o seu Cantinho), leva-me para coisas feitas com carinho e genuinidade e, se a isso juntarmos talento, parece-me uma mistura explosiva.

O Talho – Mais um do Chef Kiko. Se n’A Cevicheria o peixe é rei, aqui a carne domina. Se gostar da carne que comeu no restaurante e se sentir um chef talentoso, pode trazer uma amostra da carne que comeu (sim, O Talho tem um talho!). 

16983187_2nRwl

PARA DORMIR


Valverde Hotel – Fica na Avenida da Liberdade, bem no coração de Lisboa. Aqui pormenor e conforto são levados a sério, o objetivo é que se sinta em casa (em bom!).

Farol Design Hotel – Fora do centro de Lisboa (fica em Cascais), perde-se urbano e ganha-se mar. 

Pousada de Lisboa – Resulta da remodelação de um edifico histórico junto ao Terreiro do Paço. Lembra o passado, mas tem o conforto do presente. Vizinho do rio Tejo.

Torel Palace – Ganha o prémio (entre os recomendados) para a melhor vista sobre Lisboa. Mais uma vez (é cliché em Lisboa) a ligação forte ao passado está em força, mas mais uma vez o conforto do presente está incluído. Uma espécie de sinta-se um Rei, mas em sua casa.

farol-design-hotel-S-01-r

36_IMG_0265

VIDEO


Anthony Bourdain: No Reservations in Lisbon

 

Comentários

comments