Nome, data de nascimento, onde nasceste e onde vives? 

O meu nome é Carlos Bernardo, o mesmo nome que o meu Pai. Os meus amigos e família tratam-me carinhosamente por Carlitos desde que me lembro de ser gente. Ainda hoje o fazem. Nasci no dia 19 de Outubro de 1984 em Abrantes, no antigo hospital. Vivi quase toda a minha vida, com os meus pais, em Rossio ao Sul do Tejo, freguesia do concelho de Abrantes, local onde cresci e que será sempre a minha “casa” número 1. Hoje vivo em Abrantes.

És casado? Tens filhos?

Sou oficialmente casado com a Liliana desde 2017, somos namorados desde os 18. Gosto muito dela. No Verão de 2018 nasceu a nossa lindíssima filha, a Alice. Os meus dias, desde então, tornaram-se muito melhores.

Tens irmãos?

Sou filho único. Neto único e sobrinho único (do lado da minha Mãe). Portanto, recebi mais amor que o menino Jesus.

Onde estudaste? Qual a tua formação?

Comecei na escola primária de Rossio ao Sul do Tejo, onde fiquei até à 4ª classe. Depois frequentei a Escola D. Miguel de Almeida até ao 9º ano e a Escola Dr. Manuel Fernandes até ao 12º ano. As duas em Abrantes. Com 19 anos passei a estudar e viver em Coimbra, entrei no curso de Engenharia Civil no Instituto Superior de Engenharia de Coimbra. No último ano de curso, literalmente, fugi de lá. Ainda frequentei o Mestrado em Turismo no Instituto Politécnico de Tomar, que concluí até fase da tese. Como decidi não concluir a licenciatura em Engenharia Civil, também não concluí o mestrado, que cumpriu a sua função, a aquisição de importantes ferramentas e conhecimento (sobretudo ajudar-me na descoberta do caminho). No passado recente fiz várias formações na aérea do Marketing Digital.

Como e quando aparece O Meu Escritório é lá Fora! na tua vida?

Sempre fui uma pessoa mentalmente irrequieta. Característica vulgarmente conhecida como “sonhador”. Com o passar dos anos fui juntando dois pontos a esta característica, criatividade e viagens. Desta mistura nasceu o Meu Escritório, enquanto ideia, algures em 2011, na altura da fuga de ser Engenheiro Civil. Mas, oficialmente, a data inaugural do Meu Escritório, coincide com a primeira viagem (do projecto), feita algures em Julho de 2013. O blog apenas nasce 1 ano mais tarde.

Qual a primeira viagem do Meu Escritório e o seu significado? 

Foi entre a porta da garagem dos meus pais, em Rossio ao Sul do Tejo, e Vila Real de Santo António, no Algarve. Sozinho, de bicicleta, com uma mochila às costas e meia dúzia de trocos no bolso. Sem nada marcado e sem tempo de chegada. Quase sem querer, para além de descobrir algumas pérolas do meu país (até então desconhecidas para mim), descobri parte de mim. Sei que parece demasiado romântico, mas é verdade. A crónica desta viagem foi a primeira história que escrevi. Percebi que o encanto disto tudo, não está na ida, está na experiência. E quanto mais genuína ela for, melhor. Depois dessa viagem, não desejei conhecer Nova Iorque ou Tóquio, desejei viver e conhecer tudo de lugares como Mina de São Domingos ou Juromenha. Queria mostrar, escrever, fotografar, viver, locais sobre os quais quase ninguém tinha ouvido falar. Senti que estava a descobrir ouro. Foi assim o ponto de partida do Meu Escritório. Muita coisa mudou desde então, mas a essência é igual.

És profissional d’O Meu Escritório é lá Fora! ? Se sim, desde quando?

Sim, desde Outubro de 2016. 

Antes do Escritório qual era a tua profissão’

Trabalhei como consultor de turismo de natureza e gestor de projeto numa empresa chamada A2Z.

Como ganhas dinheiro no Meu Escritório?

Muitas vezes digo que o meu trabalho enquanto blogger é equivalente ao trabalhar de um pintor (não um pintor de casas, mas um artista ou criativo). Pinto retratos através de histórias, em palavras e em imagens. Além do comum pintor, tenho a vantagem de ter uma galeria (o blog) onde posso expôr os meus trabalhos, com garantia de muita e particular audiência. Portanto, vendo duas coisas, assim muito basicamente, e sempre interligadas. Em primeiro lugar a criação de uma obra. Em segundo lugar a exposição e promoção da mesma. Simples? (não, não existe publicidade tradicional no meu blog…banners, links afiliados e afins)

Existe um lado visual bem marcado no Meu Escritório. És tu que fotografas? És tu que editas? Que material utilizas?

Sim, sou eu que fotografo. Sim, sou eu que edito. De momento, utilizo uma Fujifilm X-T2 e apenas fotografo a 35mm, em formato RAW. Para edição, utilizo apenas o Adobe Lightroom (versão desktop). Recentemente abri uma loja online no Meu Escritório, onde vendo as minhas edições em Lightroom (sim, as tuas fotos podem ficar com as mesmas cores que as minhas). Vejam a Loja do Meu Escritório.

Qual o teu filme favorito?

Cinema Paraíso, do Giuseppe Tornatore.

Qual a tua série favorita, de todos os tempos?

Sopranos.

Qual a tua (ou tuas) série favorita, mais recente?

Tenho algumas. Breaking Bad, Better Call Saul, Dark, Mindhunter, Stranger Things.

Qual o teu clube do coração?

Por ordem de grandeza. C.D. “Os Patos” (o clube da minha terra, do qual sou diretor há quase 20 anos), Benfica e Barcelona (paixão antiga).

O que nunca te esqueces de levar quando partes para uma viagem?

A resposta óbvia seria “o passaporte”, ou algo parecido. Mas o que nunca me esqueço realmente de levar para uma viagem é vontade de voltar. Muitas vezes digo que devo ser o viajante mais caseiro do mundo. Adoro viajar, adoro o meu trabalho, mas talvez adore ainda mais voltar. Voltar para a minha terra, para junto da minha família, para junto dos meus amigos.  

Qual a tua frase favorita?

Tenho duas: “a felicidade só é verdadeira quando é partilhada” e “somos do tamanho das histórias que temos para contar” . Levo muito a sério as minhas frases favoritas.

5 livros que gostes muito?

Na Patagónia, do Bruce Chatwin. Lado Selvagem, do Jon Krakauer. O Grande Bazar Ferroviário, do Paul Theroux. Sahara, do Michael Palin. A trilogia O Senhor dos Anéis, do  J.R.R. Tolkien. 

Quais as tuas inspirações, profissionalmente falando?

Anthony Bourdain, Bruce Chatwin, Jon Krakauer, Platon, Ara Guller, Steve McCurry, Vhils, Bob Bylan, Quentin Tarantino, Christoph Niemann, Wes Anderson, irmãos Coen, Michael Palin. Recebo inspirações diárias, bastante valiosas. Talvez injustamente, não lhes coloque um nome. Os que citei, entre outros que me estão a escapar, são uma procura constante da minha parte.