O Verão 2017 caminha para o seu fim e seguindo uma expressão bem típica dos nossos dias Winter is Coming! Durante o mês de Agosto passei por lugares incríveis, todos em Portugal. Um deles foi o Anantara Vilamoura. Sem dúvida, uma das melhores experiências do meu Verão.

Abriu portas no dia 1 de Abril de 2017, no espaço anteriormente ocupado pelo Tivoli Victoria. Em Vilamoura, a cerca de 1km do mar e colado a um dos maiores campos de golfe que existem por ali. Cada vez que chego a Vilamoura, vindo do interior do Algarve, a minha primeira impressão é sempre a mesma. Qualidade de vida. Ano após ano, parece que cheira sempre a novo, que foi pensada para quem lá vive (ou quer viver, nem que seja por um bocadinho) e não para quem a visita (embora quem visita, tenha de ficar agradado, como é óbvio). Adoro os longos campos verdes ao longo da estrada, com circuitos de manutenção constantes. Penso sempre: “se vivesse aqui corria todos os dias, melhor, muitos dias até corria mais que uma vez!” (quero acreditar que este pensamento seja verdadeiro, embora em alguns momentos de lucidez, perceba que é falso 😉 ). 

Voltando ao Anantara. Cheguei com a minha Liliana ao início da tarde ao enorme átrio do hotel, fomos recebidos graciosamente. Neste hotel de inspiração tailandesa, a tranquilidade e o luxo imperam. Se a tranquilidade é promovida por pequenos gestos, já o luxo, não é um luxo megalómano, é um luxo baseado na experiência, onde o bem fazer é ponto comum em toda a experiência. Começamos por nos ligar a este hotel com uma experiência de boas vindas bem típica do nosso país, tocamos os ferrinhos (sim, esse clássico instrumento musical) produzindo um som que se fez ouvir por toda a entrada deste espaço, numa espécie de anúncio da nossa chegada. Todos os clientes passam por este ritual, todos os clientes se sentem especiais e únicos neste momento. Apesar dos seus 280 quartos, estes pequenos gestos, transformam um processo que poderia ser industrial, numa espécie de chegada a casa de alguém bem próximo de nós e que tudo vai fazer para que a melhor experiência seja conseguida. Chegámos ao nosso quarto. Pensamento clássico: “gostava que este fosse o meu quarto….todos os dias! Tipo, levá-lo para minha casa.” (acho que todos pensamos no mesmo, não é? 😉 )

Estava a gostar muito do quarto, mas foi pouco o tempo que fiquei por lá. Foi deixar as malas, pentear o cabelo e sair disparado em direção a uma prova de vinhos com Wine Guru António Lopes. Sim, o Anantara tem um Wine Guru. Um especialista em vinhos, que promove viagens vínicas (ou seja, prova de vinhos. Para mim são sempre viagens), emparcelamentos corretos entre comida e vinho, elabora a lista de vinhos de todo hotel, enfim, tudo que tenha a ver com a experiência, tão em voga (e tão boa), relacionada com vinho. A minha prova, na varanda do principal restaurante do hotel, o EMO (penso que de emoções), com vista para o campo de golfe, foi uma verdadeira viagem. Percorri, sentado, o meu país através de sabores, cheiros e sensações. Já fiz várias provas, mas nunca uma sobre os vinhos de Portugal, todas as outras foram muitos localizadas em vinhos de determinada região. Muito interessante esta prova, a fugir ao tradicional e esperado, em qualquer lista de best of, ligou-me à terra. Senti-me, por momentos, na vinhas do Douro, numa quinta da Bairrada ou numa adega do Alentejo (aqui, imaginei-me a comer um queijo também). Quando a minha imaginação se eleva, é porque tudo correu muito bem.

Já era final de tarde, quando terminaram as provas e conversas à volta do vinho. Lentamente, caminhámos entre os corredores do hotel, que contam pequenas histórias. Apesar das muitas actividades e experiências que este hotel tem, sempre muita coisa a acontecer, o tempo parece corre que devagar por aqui. Sentia-me bem, numa espécie de bolha, onde só existem coisas boas. Mais uma vez, lentamente, caminhámos para o nosso jantar no EMO. Pelos corredores do hotel, ouvia-se vozes sentidas a cantar o nosso fado. Contavam histórias de saudade. Descobri no dia seguinte, que todos dias, ao final de tarde, cantores locais são convidados a celebrar o momento, e encher os espaços do hotel de sentimento. Um sentimento português, que faz deste Anantara diferente de qualquer Anantara do Mundo (existem vários, o Anantara Vilamoura é único Anantara na Europa). Celebrámos o nosso pôr do sol, com champanhe, junto à piscina e ao som de vozes do fado. Muito bom. No EMO, era tempo de jantar. Mais uma viagem. Numa cozinha de autor, onde o chef é rei (e uma rock star), este EMO levou-nos a viajar pelos sabores (e produtos) de Portugal. Mais uma vez com a presença do António Lopes na escolha dos vinhos. Viajei pelos sabores da ria, pelos pastos de Mirandela e ainda passei pela Costa Atlântica. Tão rico o nosso país. Muitas vezes o complexo é descomplicar, e deixar brilhar o autêntico. Entre sorrisos, conversas, comida e vinhos, é tudo tão bom, tão nosso. Caminhámos, lentamente, para o nosso quarto, com a satisfação de termos vivido um bom momento.

No dia seguinte, pela manhã, decidimos alcançar Vilamoura de uma forma diferente. Entrámos na moda citadina dos Tuk Tuk (disponível no Anantara) e partimos para a descoberta de Vilamoura com o cabelo ao vento. Entre as histórias de quem cá vive (neste caso, o condutor) e as paisagens de Verão, percorremos Vilamoura entre as suas praias e a zona da marina. Ainda demos um salto à vizinha Quarteira, com destaque para a paragem no mercado diário local. Adoro estes sítios. Seja na Quarteira ou numa qualquer cidade da China, o mercado local, é sempre local obrigatório de visita. Voltámos ao hotel para mais uma sessões de constante bem estar. Entre um brunch de marisco da Ria Formosa (uma espécie de benção dos Deuses), mergulhos nas piscinas (tem duas piscinas muito bonitas, uma gigante com palmeiras, mais virada para as crianças, e outra, quase como um segredo, apenas para adultos), refeições tailandesas, relaxamento no SPA e sublimes momentos ao pôr do sol (muito bonitos quadros por aqui), fomos vivendo os nossos momentos Anantara, até ao momento da partida na manhã seguinte.

Não sei se posso chamar este hotel como um segredo por descobrir, mas posso, com toda a certeza, identificá-lo como local sagrado, onde a arte do bem fazer, não é tratada ao acaso. Todos os pormenores contam por aqui. E isso sente-se.

Espero (ou esperamos, foi um tormento para trazer a Liliana dali 😉 ) voltar em breve, Anantara. 


-> CONTACTOS

ANANTARA VILAMOURA ALGARVE RESORT
Av. dos Descobrimentos n.º 0,
8125-309 Vilamoura, Portugal
Tel.: +351 289 317 000
Fax: +351 289 317 345
E-mail: vilamoura@anantara.com

 

Comentários

comments