Aqui aplica-se aquela velha máxima, só aplicada pelos mais sábios “eu sou Ribatejano e sei do que falo”.

Este meu Ribatejo tanta vezes (ou sempre) afastado dos holofotes turísticos e no qual vejo tanto potencial. Juro que não percebo porque tão poucos pegam na marca Ribatejo (qualquer dia ainda a compro 😉 ).

É uma região de velhas e marcadas tradições, “rasgada” ao meio pelo rio Tejo, divide Portugal ao meio, terra de castelos e de lendas, de cavalos e de touros, de lezíria e de fado, de fadango e de muita e boa comida. Juro que não percebo, como READ MORE

Share:

Nas ultimas semanas Abrantes foi visitada por vários sketchers, com o Eduardo Salavisa no comando, com o intuito de deixar um (magnifico) legado intitulado de Abrantes Travel Sketchbooks.

Eu gosto muito de escrever e contar histórias, sobre o sinto, o que vejo ou sobre o que vivo. É o meu meio favorito (também não tenho jeito para muito mais 😉 ) de partilha. Mas tenho sempre presente, o poder que uma (boa) imagem pode ter. Neste caso é o desenho, feito de uma forma bastante particular, a fazer efeito. (a minha) Abrantes vista de uma outra forma. 

Abrantes 1

Abrantes 05

Abrantes 09

Abrantes_23 04 2016_1a

Abrantes

Abrantes21A

C035_027 Abrantes

DesenhoRicardoA

160423-Abrantes-04-640x414

13062908_833240790113547_1565566384391763910_o

Abrantes 3

mais info: Urban READ MORE

Share:

Sou Abrantino, sou Rossiense (sendo estes as duas últimas peças da boneca Matrioska da minha naturalidade). Adoro a minha terra e nunca desejei ser de outro lugar. Por gostar e sentir tanto a minha terra, já lhe estava a dever um guia sobre o que eu acho que ela tem de melhor.

Considero Abrantes como uma espécie de ilha, banhada por diferentes influências culturais e diferentes regiões naturais. A Sul recebe a influência cultural do Alentejo e Ribatejo, e a Norte da Beira Interior. É dividida a Sul pela Charneca e a Norte pelo Bairro. A estes fatores junto o READ MORE

Share:

O Ribatejo é a minha região (e gosto muito dela). Bem no centro de Portugal, com rio Tejo a dividi-lo (uma divisão pacífica 😉 ). Com uma enorme diversidade geomorfologica e cultural. Podendo ser divido em 3 sub-regiões: a Norte o Bairro, zona mais empedrada, região de olival e pinhal; no centro e coração do Ribatejo, a Lezíria, zona de campos ricos, de aluvião; e a Sul com Charneca, zona da montado, fazendo ligação ao Alentejo.

Porque tem um enorme potencial turístico, com muito por descobrir e muito por potenciar, cabe-me também a mim, divulgar “segredos” que não devem estar READ MORE

Share:

Não sei se são os 4 melhores restaurantes de Abrantes. São 4 restaurantes onde gosto muito de ir e que tenho imenso orgulho que fiquem na minha terra . Recomendo-os de olhos fechados.  😉

Ora então, de Norte para Sul, sem qualquer ordem de preferência:

»TASQUINHA d’ALDEIA, em Fontes

Acho muita piada ao lado Norte do concelho de Abrantes, claramente marcado pela imponente e bonita Albufeira do Castelo de Bode. A paisagem é diferente, até acho que as pessoas são diferentes, com diferentes influências. Gosto muito do espaço da Tasquinha (meio caminho está feito 🙂 ) e a READ MORE

Share:

Caminho do Tejo. Quer dizer, uma parte do Caminho do Tejo, que ainda não existe na totalidade (da foz à nascente), ou melhor que ainda não está marcado, mapeado e principalmente, não está feita a união entre várias rotas junto ao rio Tejo. Um dia.

Será certamente um produto de eleição, uma Grande Rota do Tejo, entre a nascente e a foz, toda uniformemente sinalizada, para fazer a pé ou de bicicleta, e quem sabe de canoa. É seguir o exemplo da Grande Rota do Zêzere, com a devida noção da minha parte, que as distâncias não são as mesmas READ MORE

Share: