Sou ribatejano, mas sempre tive uma afinidade muito grande com o Alentejo. Gosto daquilo. Sobretudo, sinto-me muito bem por lá.

O tempo passa devagar, a comida é muito boa e as pessoas são de uma simpatia extrema. Depois é uma região enorme, com uma diversidade enorme (quer dizer, enorme é o Sahara. É enorme, para o tamanho que tem Portugal 😉 ). Tem rio, mar, planície e serra, não esquecendo um imenso legado histórico. Na cultura e no património edificado.

Vou sugerir 6, mas podiam ser 150.

#VISITAR UM CASTELO (também vale palácios)

Poderia estar aqui um bom bocado a READ MORE

Share:

Sabem aquele brilho nos olhos, que aparece quando falamos de algo que gostamos muito ou que sentimos um orgulho imenso? É isso que me acontece quando falo (ou escrevo) sobre o que Portugal tem para oferecer. Sobre a sua beleza natural e a riqueza cultural. Um imenso e sincero brilho nos olhos (sim, nos dois 😉 ).

Vou sugerir pequenos paraísos para visitar em 2017. (tenham em atenção que existem mais 1000, isto é só para abrir o apetite 😉 )

#FAIAL, PICO E SÃO JORGE

As ilhas do triângulo atlântico são do mais bonito que existe no Mundo. Se READ MORE

Share:

Juntar os assuntos comida e Alentejo, é tocar-me no coração.

Esta região combina na perfeição o saber do passado, a qualidade do produto do presente e o saber receber, como ninguém, de sempre.

Ora migas, bacalhau, entrecosto (bifes e tudo e mais algum coisa), presunto, queijo, enchidos, cação, polvo, percebes…a juntar a um bom vinho alentejano e a uma boa conversa. Fica um cenário a roçar a perfeição. 

Agora o difícil é sugerir 10. Poderiam ser 1000 e, ainda poderia dizer, que melhor seria ir comer a casa de uma avó ou tia no Alentejo. Mas vou arriscar tudo, porque READ MORE

Share:

Tal como acontece na minha relação com (algumas) pessoas, onde crio uma empatia imediata, o mesmo acontece com lugares e com histórias. Foi isso que aconteceu, assim que entrei na Mercearia Gadanha, em Estremoz. Empatia imediata. Depois de provar a comida…bem, aí ficámos amigos para a vida.

A nossa (minha e da minha Liliana) experiência na Mercearia Gadanha:

Chegamos a Estremoz a rondar a hora de jantar e com a fome a apertar e, porque, no Alentejo vale tudo menos passar fome. Foi deixar as malas no quarto (Pateo dos Solares) e seguir para jantar. Existem várias hipóteses para READ MORE

Share:

Sou um admirador confesso do Alto Alentejo. Sinto-me bem lá. É quase como um sensor que se liga (tipo as luzes automáticas de casa de banho) e activa, em mim, uma sensação de bem estar, assim que piso aquela região. Ora bem, passei um fim de semana no Hotel de Charme Pateo dos Solares, que fica em Estremoz…Alto Alentejo. Já estão a adivinhar o que aconteceu por lá? Senti-me, terrivelmente, bem por lá. (terrivelmente, porque já sentia vontade de não sair de lá 😉 ).

Muitas vezes digo que o Alto Alentejo é intemporal. É meio a brincar, porque READ MORE

Share:

Comida e viagem caminham lado a lado. Nem vou dizer que é bom comer em viagem, ou que viajo para comer. A comida conta histórias e pouca coisa é melhor que um prato típico, de determinado local, para descobrir ou desenhar o perfil, e história, do seu povo e da riqueza das suas terras (ou do seu mar ou do seu rio). O Alentejo não só não foge à regra, como é um exemplo de pratos/história. Mais do que 5 pratos típicos do Alentejo, são 5 histórias do povo alentejano.

Todos estes produtos resultam de uma relação (do passado) entre READ MORE

Share:

Sou um ribatejano apaixonado pelo Alentejo (acho que é uma conexão provável, somos uma espécie de parentes 😉 ). Gosto do timing (lento 🙂 ) do andar do tempo, gosto das paisagens e dos cheiros, ah…e não me posso esquecer das pessoas, da gastronomia e dos vinhos.

Este Alto Alentejo, pequeno (salvo seja) recanto do Alentejo, região de montado e de vinha, mas também de serra (PN Serra de São Mamede) e de património mundial (Elvas). Existe realmente algo de especial, e por descobrir, neste fatia de Alentejo, que recebe (e dá) influências das suas regiões de fronteira, Ribatejo a READ MORE

Share:

Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina, uma região mágica, parece que foi desenhada pelos Deuses, com praias e paisagens do melhor que existe no Mundo. Mais existe outro ponto que eleva esta região aos pícaros das coisas boas, as pessoas e a sua forma de receber, que passados uns dias por lá, chegam facilmente a esta conclusão: “aqui, sinto-me em casa!” (comigo acontece sempre que lá vou 😉 )

No titulo poderia colocar “conhecer” (imediatamente)”, mas seria errado, pois já deve estar tudo esgotado até final do Verão. Podia dizer que isso era mau, mas na verdade não READ MORE

Share:

Costa Vicentina é uma região mágica, parece que foi desenhada pelos Deuses, com praias e paisagens do melhor que existe no Mundo. Mais existe outro ponto que eleva a Costa Vicentina aos pícaros das coisas boas, a gastronomia.

Costa Vicentina, como o nome nos leva a deduzir (a parte da costa 😉 ), peixe fresquíssimo é quase o nome do meio desta região, mas, esta Costa Vicentina tem uma particularidade, também tem carne (bovino) que pode envergonhar muitos peixes em terra de peixe (ok, esta ideia soa um bocado estranho 😉 ). E se a matéria prima de alta qualidade READ MORE

Share:

Bem, vou mais uma vez (já arrisquei imenso ao “tentar” eleger as 10 praias mais bonitas de Portugal), arriscar tudo e eleger as 10 praias mais bonitas da Costa Vicentina. Ou seja, aquelas que para mim são as mais bonitas (ou melhor, de entre (as muitas) que visitei, escolha as mais bonitas). Esta coisa de “uma coisa ser mais bonita que outra”, é sempre muito relativo e que é bonito para um, pode não ser para outro (também não acredito que alguém diga que alguma destas praias é feia 🙂 ). Mas mesmo assim vou arriscar. Aliás, até vou READ MORE

Share:
Page 1 of 212