Não digam a ninguém. O instagram é minha rede social favorita.

Entrou devagarinho na minha vida, mas nos últimos tempos entranhou-se de tal maneira, que até sonho com as fotos que vou colocar no instagram. Aqueles sonhos de trabalho meio perturbadores. Acho que já aconteceu a todos.

O instagram parece uma daquelas ideias simples. Tens uma conta e colocas lá as tuas fotos. Se as pessoas (sim, ainda existem pessoas) gostarem, podem seguir o teu trabalho e, de certa forma, interagir contigo. Simples, não? O complexo aqui, é a forma como todos os pormenores são construídos. O design clean e muito focado no objecto, leva a que todos tenham a oportunidade tenham a oportunidade e o desafio de se colocar lado a lado com os profissionais e, quem sabe, tornarem-se…profissionais. 

Esqueçam os fotógrafos das fotos para o passe do autocarro. Os fotógrafos do futuro movem-se no digital e o mercado está liberalizado. Rege-se pela criatividade e originalidade (e claro, como consequência de um bom trabalho, o alcance das fotografias (sim, o número de pessoas que lhe colocam os olhos em cima)).

Isto não é uma ciência exacta (é arte 😉 ). Mas posso dar uma ajudinha. 5 procedimentos, que tenho como “sagrados” na minha conta de instagram.

#NÃO FOTOGRAFAR COM O TELEMÓVEL 

Ok, os telemóveis são um belo kit multi-funções. Já funcionam como um belo instrumento fotográfico e, sobretudo, estão sempre disponíveis (na nossa mão) caso exista o “momento” (e se o captarem, esqueçam tudo o que escrevi neste capítulo). Mas para estarem “no outro nível”, têm de usar uma “máquina de verdade”. No meu caso, utilizo a GoPro para grandes planos e “selfies”, e uma reflex para as restantes fotos.

Lets Go wild 🌍😎 #omeuescritorioelafora #picosdaeuropa #lagoscovadonga

A post shared by CARLOS BERNARDO (@omeuescritorioelafora) on

 

#NÃO EDITAR AS FOTOGRAFIAS PUBLICADAS COM OS FILTROS DO INSTAGRAM

Sim, são muito giros. Mas longe de serem perfeitos. O ideal será editarem as fotografias num computador e enviarem as fotos já editadas e prontas a serem publicadas, para o telemóvel. Eu uso o Adobe Lightroom. Para mim não existe melhor e já testei uns quantos. Caso não tenham de todo acesso a um computador, sugiro a app Google Snapseed. É gratuita e dá bem conta do recado (isto para uma solução de recurso). Outra coisa que aconselho é seguir sempre a mesma linha de edição, para as fotos “encaixarem” umas nas outras. Lembrem-se o instagram é uma história e tal como todas as (boas) histórias tem de existir uma ligação entre fragmentos.

 

#FOTAGRAFAR AO INICIO E FINAL DO DIA

As cores fazem toda diferença. É claro que se o momento acontecer às 4h da tarde, não o vão poder mover. Mas o elemento a fotografar seja estático, o momento (e a cor) da captura vão fazer toda a diferença.

As ondas gigantes da Nazaré 😯🌊 #omeuescritorioelafora #bigwaves #nazare #visitportugal

A post shared by CARLOS BERNARDO (@omeuescritorioelafora) on

 

#NÃO PUBLICAR FOTOGRAFIAS A TODA A HORA

Muito, muito raramente público uma fotografia do momento. Muito, muito raramente público mais que uma fotografia por dia. Tenham o critério, na escolha da fotografia a publicar, como elemento padrão da vossa conta.

Fajã da Caldeira de Santo Cristo – Azores, Portugal 😎 #omeuescritorioelafora #visitazores #island #paradise #nature

A post shared by CARLOS BERNARDO (@omeuescritorioelafora) on

 

#USAR HASHTGS QUE DESCREVAM O MOMENTO

O título também poderia ser, “não coloquem hashtags à maluca”. Utilizem os hashtags que estejam, verdadeiramente, conectados com a fotografia. Seja em relação ao elemento ou em relação à forma. Hashtags mais generalistas, na minha opinião, não produzem grande efeito.

Comentários

comments